Prefeitura de Biguaçu solicita melhorias da Arteris Litoral Sul no trecho da BR-101 em Biguaçu

208
Reunião em Biguaçu
Diversas melhorias foram solicitadas para o trecho da BR-101 em Biguaçu (Foto: Martha Huff/Diretoria de Comunicação/Prefeitura de Biguaçu)
Publicidade

Como previsto em reunião realizada no último dia 20 de janeiro, a Prefeitura de Biguaçu recebeu nesta terça-feira, dia 2 de fevereiro, representantes das áreas técnicas da Arteris Litoral Sul, concessionária responsável pelo trecho da BR-101 que corta o município. Diversas melhorias foram discutidas, como adequação de acessos a marginais, iluminação, passarelas e drenagem.

Participaram da reunião o prefeito Salmir da Silva, o vice-prefeito Alexandre Martins de Souza, o secretário de Planejamento e Gestão Participativa, Éderson Kremer de Souza, o secretário de Obras e Infraestrutura, Marcelo Conrat, além dos vereadores da bancada do MDB, Lucas Rosa Vieira, Douglas Souza e Sandro Andrade.

Já a Arteris Litoral Sul foi representada pelo coordenador de Sala Técnica, Marcelo Possamai, e pela coordenadora da Faixa de Domínio, Letícia Tessari.

Publicidade

Sobre os trechos de interligação entre as comunidades da região Norte do município com as marginais da rodovia, os representantes da Arteris explicaram que não pertencem à concessão, sendo necessária a regularização dos mesmos junto à Agência Nacional de Transportes Terrestres e de que essa solicitação deve ser efetuada por meio de projeto enviado pela Prefeitura de Biguaçu.

A Arteris, segundo o coordenador Marcelo, poderá auxiliar a Prefeitura de Biguaçu na elaboração de um projeto tipo, ou seja, um projeto básico que se ajuste a todos esses trechos de conexão. Após a devida autorização da Agência Nacional de Transportes Terrestres, esses trechos poderão ser pavimentados.

Quanto aos trabalhos de manutenção nesses espaços, que ficaram muito danificados após as fortes chuvas dos últimos dias, poderão ser realizados com autorização da Arteris à Prefeitura, conforme afirmou a coordenadora Letícia, por meio de solicitação via ofício.

O viaduto de acesso ao Balneário de São Miguel também foi discutido, sendo necessária a construção de uma via marginal para garantir mais segurança nesse local. Esse pleito, segundo os representantes da concessionária, também deverá ser solicitado pela Prefeitura à Agência Nacional de Transportes Terrestres.

Sobre a saída no quilômetro 197, da rodovia para a marginal, próximo ao Morro da Bina, foi outro assunto levantado na reunião. O local é perigoso, com registro de acidentes graves. Os representantes da concessionária se comprometeram de fazer um levantamento de sinistros e averiguar in loco a situação.

Outro ponto de intersecção da rodovia com a marginal abordado foi o que faz ligação para o bairro Prado, pela Rua 13 de Maio. “Esse assunto foi conversado na outra reunião que tivemos dia 20 de janeiro, é um ponto perigoso, com entrada e saída de veículos da Rua 13 de Maio e também para seguir pela marginal. É necessário que se faça melhorias nesse local, com melhor sinalização inclusive”, destacou o prefeito.

Os constantes alagamentos no viaduto do Centro foram mostrados com imagens das chuvas recentes no município. “O local está muito baixo e acaba represando a água nesse ponto apenas, pois as ruas da cidade no entorno não ficam alagadas, o problema está concentrado ali embaixo do viaduto”, explicou Salmir.

Sobre o viaduto após a ponte do Rio Biguaçu, próximo à base da Arteris foi solicitado que se pense em melhorias, como a adoção de mão inglesa.

Os vereadores expuseram problemas com entupimento de bocas de lobo próximas à entrada do bairro Praia João Rosa, além de solicitarem a construção de passarela nas proximidades do bairro Vendaval. Os vereadores Lucas, Douglas e Sandro relataram aos representantes da Arteris que os moradores dos bairros próximos a esse trecho só possuem a passagem para pedestres sob a ponte do Rio Biguaçu, e que conforme a maré, fica submersa.

Quarta ponte

Novamente, a solicitação da construção da quarta ponte sobre o Rio Biguaçu foi feita pelo prefeito, vice e vereadores. O local é perigoso, em curva, com registro de vários acidentes, e atualmente possui apenas duas faixas marginais no sentido Sul e as quatro faixas do trecho principal, sendo necessária a construção das marginais no sentido contrário.

“Além de ser um trecho perigoso, com muitos acidentes e filas, temos somado o problema de neblina aqui no nosso município, com mais esse agravante da baixa visibilidade. É preciso que essa obra seja executada antes que algo mais grave aconteça”, afirmou o vice-prefeito Alexandre.

O coordenador Marcelo explicou que essa obra não está prevista no contrato de concessão, mas que o projeto já foi protocolado junto à Agência Nacional de Transportes Terrestres, dentro do Programa de Investimento em Logística, mas que não foi autorizado e que essa demanda necessita de cobrança ao Governo Federal para que seja executada.

“Com certeza vamos solicitar auxílio à Polícia Rodoviária Federal para que se comprove a necessidade dessa obra para garantir a segurança de todos que ali trafegam, bem como vamos pedir apoio aos parlamentares catarinenses para que essa obra saia do papel”, concluiu o prefeito Salmir.

Publicidade

1 COMENTÁRIO

  1. Eu sou moradora de São Sebastião Palhoça e estamos com vários problemas com essa litoral sul, não respeitam o terreno , com gerador enorme ligado a noite bem na janela da minha casa, banheiros químicos dentro do nosso quintal com cheiro horrivel, retiram os canos de escoamento e deixaram o meu irmão teve que colocar, pessoas transitando dentro do nosso terreno sem máscara, somos 3 idosos, é um desrrespeito total

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui