Fim do período de adensamento do solo no Contorno Viário da Grande Florianópolis

299
Contorno Arteris
Foto: Reprodução/Arteris
Publicidade

No mês de abril foi registrado um importante marco da história do Contorno Viário da Grande Florianópolis, o fim do período de adensamento do solo nos trechos que eram remanescentes, em Palhoça.

A característica do solo mole em praticamente toda a extensão do aterro do Contorno Viário da Grande Florianópolis foi um dos grandes desafios encontrados durante o processo de construção da rodovia.

Em todos os 50 km de obra, cerca de 70% são de aterro, que foram feitos em solos moles de substrato, ou seja, um material orgânico, saturado, que não tem suporte e não suporta uma rodovia por cima. Desta forma, a Arteris Litoral Sul não poderia simplesmente aterrar e colocar asfalto por cima, pois toda essa parte de solo mole afundaria e o terreno ficaria todo irregular, com algumas partes mais afundadas que as outras.

Publicidade

Com o objetivo de contornar essa dificuldade natural do solo da região, a concessionária faz um trabalho específico e tecnológico de geotecnia antes de realizar o aterro, para que quando a carga for colocada por cima do local e o terreno pudesse ser estabilizado de forma homogênea.

Esse trabalho foi totalmente concluído no mês de abril no trecho Sul B da rodovia, o que permite que a concessionária siga com o aterro e pavimentação.

Atualmente, 96% das obras do Contorno Viário da Grande Florianópolis estão concluídas e a liberação da rodovia ao tráfego será em julho deste ano.

Publicidade

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui