Construção do Contorno Viário de Florianópolis: vencendo o desafio dos solos moles com tecnologia de geotecnia

323
Publicidade

O Contorno Viário da Grande Florianópolis enfrentou um desafio significativo durante sua construção devido às características do solo, que consistem em solos moles de substrato orgânico, saturados e sem suporte para uma rodovia.

Cerca de 70% dos 50 km da obra são aterros construídos nessas condições.

Para contornar essa dificuldade, a concessionária Arteris Litoral Sul realizou um trabalho específico de geotecnia, implantando drenos verticais em toda a área do terreno antes do aterro.

Publicidade

Esses drenos ajudam a estabilizar o solo, permitindo que a carga da rodovia seja colocada por cima de forma homogênea.

O processo inclui a aplicação de uma manta geotêxtil, uma espessura de areia como colchão drenante e a inserção de fitas drenantes de até 25 metros de profundidade no solo mole.

Essas fitas drenam a água do solo para cima, permitindo a estabilização do aterro.

Cada trecho em solo mole leva cerca de nove meses para ser estabilizado antes da pavimentação.

Publicidade

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui